blogdobracin

Já tá batendo saudades de 2011? Não vem me falar que foi ruim.

A breve participação do Michael Stipe no Jimmy Fallon de ontem deve ser uma retribuição a homenagem que o Radiohead fez ao R.E.M no show do dia 28 de setembro em Nova Iorque. O primeiro show de verdade da banda desde o lançamento de “The King Of Limbs”

Ouça o breve cover do Radiohead para “The One I Love”, que serviu de introdução para “Everything In This Right Place”.

Sumidos desde o lançamento de “The King of Limbs”, o Radiohead agora é figurinha fácil na televisão americana. Só na semana passada passaram pelo SNL e pelo Colbert.

Ontem foi a vez de aparecer no Jimmy Fallon. Mas só rolou a duplinha Thom e Johnny. A música é “Give Up The Ghost”. Repare na breve participação de Michael Stipe.

Aproveitando esse momento sugestões aqui no blog, fica mais uma dica aí. Que não é só minha.

O Weezer devia apostar na carreira de covers e desistir de tentar fazer trabalhos novos. Urgente. 

Já tinha falado isso no twitter e é até um assunto meio batido, mas vale o registro.

Principalmente por ser uma ideia que surgiu coletivamente. Não deve ter uma pessoa que ao notar os montes de covers que eles fazem e os posts dedicados a eles em blogs por aí que não imagina essa situação perfeita (foi mal, não resisti). 

Só falta chorar. Clique no link para ver. O gif é nada ver mesmo.

A “banda de apoio” é Edward Sharpe and The Magnetic Zeros. 

Hoje é aniversário de um dos mestres do mashup: João Brasil.                                                       

Fui no site de seu projeto mais famoso, o 365 mashups - onde ele passou um ano postando uma música nova por dia - e escolhi cinco faixas para celebrar o dia do cara.

Let it injeção be (João Brasil) by lontramusic

Smells pra dançar (João Brasil) by lontramusic

Take me vida (João Brasil) by lontramusic

Chega de rebolar (João Brasil) by lontramusic

Climbing up the Origami (João Brasil) by joaobrasil

Essas duas músicas acabaram de sair em vinil e a banda promete lançar mais remixes dessa maneira durante todo o verão (europeus…), até que eles acabem. Ou até que o verão acabe por lá, depende.

Direto do programa From the Basement, que sai no começo de julho e onde finalmente veremos o The King Of Limbs ao vivo.

"The King Of Limbs" já tem uma música remixada. Dá-lhe imediatismo.

Radiohead - Codex (Mojib Remix) by Mojib

                           

Já deciframos a dancinha agora é a vez da direção. O clipe é dirigido por Garth Jennings, que já trabalhou com o Radiohead anteriormente em dois clipes do “In Rainbows”. 

Garth é daqueles diretores de clipe que não repete idéias. Cada vídeo tem conceitos e estéticas bem diferentes. Seja colocar as câmera acopladas em capacetes em cada um dos integrantes, contar a história de uma caixa de leite ou gravar apenas 20 segundos de ação para um vídeo de 4 minutos.  

Parece que a especialidade do cara é fazer vídeo que te deixam curioso pela forma como foram produzidos e que você não cansa de ver nunca, tamanha é a criatividade e qualidade. 

Nunca atentei pelo nome dele, mas parece que por coincidência ele está por trás de muitos dos meus vídeos favoritos. Assista alguns deles:

Quer mais? Siga os links:

A-Punk - Vampire Weekend

Nude - Radiohead

Boy From School - Hot Chip

Hell Yes - Beck

Lost Cause - Beck 

Little By Little - The Wannadies

Desillusion - Badly Drawn Boy 

Pumpin On Your Stereo - Supregrass

Right Here, Right Now - Fatboy Slim

O clipe de “Lotus Flower” virou a piada da semana passada. Uma olhada no Youtube e você já encontra muitas paródias - fora os gifs e memesAté o Jacaré veio falar da falta de um coreógrafo ali.

Parece que ninguém de uma olhada nos créditos. O clipe tem coreógrafo sim e o nome dele é Wayne McGregor.

Sabe quem é Wayne? Fui verificar na Wikipédia e no site da companhia de dança dele Random Dance.

 

O inglês Wayne McGregor é um dos grandes nomes da dança moderna contemporânea. Seu trabalho une dança, artes visuais, tecnologia e o interesse dele por ciência biológicas. Tamanho interesse que o cara já chegou a ser pesquisador do Departamento de Psicologia Experimental de Cambridge.

Meu entedimento sobre dança moderna é zero, mas é fácil fazer suposições.

A companhia fundada por ele chama Random Dance, em tradução literal “Dança Aleatória”. Quando Jacaré comenta “esses movimentos falam sobre se libertar, sobre flores, sobre o coração. Então ele está sentindo o que está cantando e quis mostrar isso de alguma forma” ele mata a charada. McGregor tem um grande trabalho com a pesquisas da natureza da dança e sua relação com os aspectos cognitivos, biológicos e tecnológicos. No site da cia. tem um vídeo sobre essas pesquisas.

Resumindo numa comparação grosseira Wayne seria para dança um equivalente do Radiohead para música. Inovador, pouco convencional, mas ainda assim popular, amado pelos críticos e muito premiado. Por exemplo, McGregor ganhou esse ano a condecoração de CBE (Commander of the Order of the British Empire), uma condecoração abaixo da KBE, onde a pessoa ganha o direito de usar o Sir antes do nome.

Thom Yorke é só dois anos mais velho que Wayne, ou seja, “Lotus Flower” é o resultado da união de dois grandes destaques de uma geração da dança e música britânica. Será que ambos já sabem onde a parceria “histórica” deles foi terminar?

Para entender melhor veja alguns outros trabalhos de Wayne:

Mais sobre Wayne aqui.

E esses movimentos falam sobre se libertar, sobre flores, sobre o coração”

Jacaré comenta o clipe do Radiohead no site Revista Alfa.


Caramba perdi o tempo mesmo. Olha o tanto de gifs e piadinhas que já estão por aí.

Tudo do http://fuckyeahthomyorke.tumblr.com/

Dica da @littlejoia

Todo dia acordo cedo pra pegar as novidades, só porque acordei tarde hoje o Radiohead adianta o lançamento do disco. Sacanagem.
via opintinho:

o pintinho e o novo do radiohead

Todo dia acordo cedo pra pegar as novidades, só porque acordei tarde hoje o Radiohead adianta o lançamento do disco. Sacanagem.

via opintinho:

o pintinho e o novo do radiohead

(Source: opintinho)

Bem, ainda não dá. Mas já dá para especular o que escutaremos sábado. 

Foi o que o blog One Thirty BPM fez. Reunindo singles do Radiohead que ficaram fora de álbuns, faixas antigas não usadas e músicas novas que Thom Yorke foi espalhando durante os shows de sua turnê solo, entre 2009 e 2010, o blog fez um mix do que talvez seja o disco “The King of Limbs”. 

Na matéria eles explicam quando cada canção apareceu e porque eles consideram que elas tem chances de entrar no álbum. Um ótimo trabalho faixa por faixa que merece ser lido (está em inglês, mas vale o esforço).

Se não quiser ler basta escutar. 

Radiohead - The King of Limbs: Album Preview Mix by One Thirty BPM