blogdobracin

Semana passada, Timberlake foi mais uma vez ao programa do Jimmy Fallon. Dessa vez para divulgar seu novo filme, chamado "In Time". Saiu de lá com mais um “History of Rap”. Já é histórico.

Mais uma aula de quem é quem no hip-hop americano.

Se dessa parceria não sair um disquinho com o The Roots ou nenhuma comédia, será um desperdício enorme. Que dupla incrível eles formam.

Reveja a parte 1…

… e a parte 2.

Mais um vídeo com os bastidres da turnê do Red Hot. Agora é a vez da América do Sul. Nossa vez, pô.

Clipe novo do Foster The People estreia amanha. Já tem um trechinho.

Hit? Já conhece ela? É boa.

Programa Ensaio com o Jeneci que rolou no dia 16 de outubro. Como não tinha visto ainda, vale o post.

Show gringo em Ribeirão. A boa banda The Blank Tapes se apresenta hoje na garagem do Crazy Miranda, em frente a praça Sete de Setembro, de graça. É daqui a pouco, às 18h. 

Não saca nada deles? Ainda dá tempo de correr no site oficial deles e escutar as músicas. Todos os discos estão liberados em streaming.

Ficou sabendo dessa? Vou te explicar.

Na última quarta-feira a imprensa nacional esqueceu o que é checagem e escreveu sem medo que o show do Foo Fighters no Brasil, dentro do Lollapalooza, estava confirmadíssimo. Quem dizia era a própria banda em sua página no Facebook. 

Ok? Perfeito. O Face do Foo Fighters é muito confiável. Não tinha o que dar errado. 

Porém quando fui dar uma olhada na agenda da banda, estranhei o anúncio estar na agenda do Face e não constar na agenda oficial do site deles. Qual seria a razão disso?

Era simples. Como todos nós, o Foo Fighters também usa aplicativos de terceiros em seu Face. A agenda deles, no caso, era fornecida pelo Song Kick, site que já é conhecido por ter enganado muita gente. Afinal, qualquer um pode criar o evento que quiser por lá.

Mas isso não resolvia a dúvida. A questão no momento era: será que o Foo Fighters sabe desse detalhe ou não? Tem alguém checando o que entra lá? Era uma questão jornalística descobrir isso.

A forma mais fácil? Criar um suposto show e ver o que acontece (ideia que a Ana e Iza, amigas do Rock n’ Beats,apoiaram). Para a missão app do Foo Fighters escolhi Ribeirão Preto, onde moro, e a imaginária banda do cara que trabalha aqui do meu lado, o Stênio. Me cadastrei no site e criei o evento em poucos minutos.

Enquanto isso o twitter esquentava com o assunto. O ótimo fan site nacional da banda já adiantava que a história era uma furada e que não havia nada confirmado. Até o vocalista do Incubus, banda que estava incluída no suposto line-up do Loolapaloza (que tinha até Strokes…), apareceu para explicar que aquilo não passava de um boato (embora ele curtiria muito se acontecesse).

Então alguém me avisa no twitter: “Confere a agenda do Foo Fighters AGORA”. Duas novas datas apareceram. Uma em Salvador e a minha em Ribeirão. E a data do Lollapalooza despareceu. Não restavam mais dúvidas, o Foo Fighters tinha mesmo uma brecha enorme em seu esquema de agenda para o Facebook.

Isso foi o tempo de todo mundo sacar a falha e começar a bagunçar a casa criando os festivais mais bizarros possíveis. Até datas que estão confirmadas de verdade, como da turnê americana com o Joy Formidable, ganharam acréscimos falsos (o melhor indicava que o Luan Santana abriria um show da turnê).

Nisso, a imprensa logo se pôs a corrigir o erro, mas sem muito alarde a mancada. Fiquei triste em ninguém citar o nosso feito. Poxa, amigos. Resolvemos essa por vocês e nenhum crédito? (Só depois vi que o Judão comentou o show em Ribeirão).

Resumo?

Por mais que pareça quase certo que o Foo Fighters venha mesmo, não foi dessa vez.

PS: O Foo Fighters retirou o aplicativo do seu Facebook ainda naquele dia. 

Motivado pelo tchau do R.E.M, que tal lembrar outras canções que são um tchau discreto da banda para o público?

A primeira que vem a cabeça é óbvia.

Alguém lembra mais uma, aí? Vou atualizando o post conforme as dicas forem chegando (ou se eu lembrar de mais alguma).

Podia ser uma t-girl, mas é o clipe da música de despedida do R.E.M. 

A bela “We All Go Back To Where We Belong” é o último single do R.E.M. A faixa estará na coletânea “Part Lies, Part Heart, Part Truth, Part Garbage 1982-2011”, que sai no dia 15 de novembro e marca o fim da banda. Gravada para fazer parte de um novo disco, que foi abortado, a canção funciona perfeitamente como uma mensagem de despedida. Uma despedida fina, discreta e triste.

Por mais que não lançassem algo extremamente relevante há anos, é um abanda que fará muita falta.

PS: O clipe tem uma outra versão com o poeta John Giorno.

—————-

Tá com a sensação que o blog anda sempre um dia atrasado? Pois é, tá foda. Mas não desisto.

Quem não dança, toca violão.

A velocidade com que “Lonely Boy” se espalhou mostra as consequências do Black Keys ter feito o melhor disco do ano passado. Lançar mais um disco no finzinho de 2011 é uma tentativa séria de tentar o bicampeonato a qualquer custo. Tem boas chances de rolar.

Não vi uma pessoa ontem reclamando da nova música do Black Keys. Impressionante. Eu, que ia comentar que achei a faixa apenas ok, até fiquei com medo de levar uma vaia.

"Lonely Boy" é o primeiro single do álbum "El Camino", que será lançado no dia 6 de dezembro. O clipe da faixa aposta em algo que sempre rende na internet. Pessoas dançando loucamente. 

Como era de se esperar, já tem uma turma dançando a música no Youtube.

Agora é para valer. Depois de postar “Evil Twin”, o lado B de “Suck It And See”, duas vezes em versão ao vivo aqui no blog, agora a faixa surge na sua versão de estúdio.

O clipe da música é meio que “Suck It and See” parte 2. Assista.



Campeões em fazerem listas polêmicas, o NME não dá chance para mimimi dessa vez.

São os leitores que ajudam a votar na lista dos melhores discos últimos 15 anos, já que a revista está completando 15 anos.

Basta ir na página da votação e sair dando estrelas para cada disco, que vão aparecendo de forma randômica. 

Só votei, obviamente, nos que escutei. Sem sacanear. Olha os 21 primeiros que o site me “ofereceu” e as minhas notas dadas. Fui bem generoso. 

Mande nos comentários a sua listinha de notas também. 

1- Oasis - Heathen Chemistry (2002) Your Rating: 7
2-MGMT - Oracular Spectacular (2008) Your Rating: 8
3-Queens Of The Stone Age - Songs For The Deaf (2002) Your Rating: 10
4-Wilco - Yankee Hotel Foxtrot (2002) Your Rating: 9
5-The Shins - Wincing The Night Away (2007) Yor Rating: 7
6-Johnny Cash - The Man Comes Around (2002) Your Rating: 10
7-Oasis - Standing On The Shoulder Of Giants (2000) Your Rating: 5
8-Sonic Youth - Rather Ripped (2006) Your Rating: 8
9-Mystery Jets – 21 (2008) Your Rating: 7
10-Queens Of The Stone Age - Rated R (2000) Your Rating: 8
11-Arctic Monkeys - Favourite Worst Nightmare (2007) Your Rating: 8
12-Vampire Weekend - Contra (2010) Your Rating: 7
13-Green Day – American Idiot (2004) Your Rating: 7
14-Arctic Monkeys - Whatever People Say I Am (…) (2006) Your Rating: 9
15-Red Hot Chili Peppers - By The Way (2002) Your Rating: 7
16-Arctic Monkeys - Humbug (2009) Your Rating: 8
17- Kings Of Leon - Youth And Young Manhood (2003) Your Rating: 8
18- The Killers - Hot Fuss (2004) Your Rating: 7
19-Franz Ferdinand – Franz Ferdinand (2004) Your Rating: 9
20-Outkast - Speakerboxxx / The Love Below (2003) Your Rating: 10
21-Beck - Sea Change (2002) Your Rating: 9

E já que mencionei a resenha do Coldplay, vale assistir a entrevista que o Chris Martin deu ao Colbert esses dias. Até o cara mais crítico ao Chris vai gostar do papo. Boa parte por culpa do Colbert, que é um entrevistador genial. Afinal, não é qualquer um que termina uma entrevista mandando o entrevistado se foder.

A conversa menciona, entre outras coisas, o fato dele ser inglês e estar tirando o emprego de um americano, a história de ser alternativo vendendo tanto, a “influência” do Radiohead e Chris é bem sincero quanto a relação dele com o U2 (ele admite, fãs…).

The Colbert Report
Get More: Colbert Report Full Episodes,Political Humor & Satire Blog,Video Archive

Semana passada fiz uma resenha de cara do disco novo do Coldplay para o Move That Jukebox que rendeu. E olha que nem falei tão mal do disco - que é mediano e melhora bem na segunda chace que você dá para ele. Lê lá e me fala.

Lembrando que foi uma resenha que saiu de cara. Escrevi enquanto escutava cada faixa (a atualização ia saindo ao vivo - faixa por faixa), ou seja, tá longe de ser uma resenha que mande uma palavra final sobre o álbum. É mais um guia para acompanhar enquanto se escuta o disco pela primeira vez.

Fora que é uma experiência legal de se fazer. Pode tentar fazer em casa.

Logo rola outra resenha desse tipo.

Mais um vídeo de bastidores da turnê do Red Hot. Dessa vez pela Europa.

Tudo continua super família. Quero ver no fim da turnê.