blogdobracin

Sempre comento as coisas que o Ronald Rios faz. Tava devendo esse comentário sobre o Bolado em Campo. Tá aí.

———

Já gostei mais de esporte. Era bem fanático até. Mais novo imaginava virar jornalista esportivo, narrar futebol e ser cronista. Uma boa saída para quem não sabe jogar bola. Foi por pouco que não segui nessa. 

Hoje, a única maneira de prestar atenção melhor em assuntos esportivo é com o “Bolado em Campo”, programa da Alta Cúpula. Qual a razão? Além de contar com dois caras (Ronald Rios e Erik Gustavo) do qual assisto qualquer trampo, eles tem o trunfo de saber colocar o assunto de uma maneira que mesmo quem não gosta de esportes ainda possa ver o programa na boa.

E nem é a questão do programa ser engraçado ou não - tem vez que acho engraçado, tem vez que não. Estou falando mais do assunto que eles abordam, que não consigo acompanhar de outra forma. Usando um frase feita: não é o que se conta, mas como se conta. Não é algo fácil, não.

Queria ter essa manha por aqui, por exemplo.

No começo o programa falava só de futebol. Nesse quinto episódio pela primeira vez eles abordam outros esportes. Melhorou bem. Será que cola na televisão essa ideia? Assista:

Faz tempo que não posto nada do Ronald… Já viu o quarto vídeo de “É tudo Ronald Rios”?

Embora o dia de hoje mereça mais a citação “Eu não fico rindo na internet”, que tá no primeiro programa. 

A Treta Mais Bonita da Internet

Aliás, quero arriscar um dia ver o novo programa do Felipe Neto no Multishow. Só para ver o drama.

Ronald Rios explica o motivo da crise econômica da Grécia e outras coisas no novo episódio de “É Tudo Ronald Rios”. Te falo que é um dos melhores episódios, mas não falo isso porque vão me chamar de coisa. 

Enquanto isso, Erik Gustavo também faz parte do Lektronik, um site sobre jogos que tem ainda os cuidados de Gus Lanzetta e Heitor de Paola. Embora eu seja meio desligado do universo do games, o site é uma boa para quem gosta.

O grande feito deles, até o momento, é a incrível entrevista com o Dr. Rey, consagrado pelo tumblr do Erik.

Ia comentar a participação especial da Tessália, mas o próprio Erik fez isso de uma maneira muito melhor.

Assumindo a responsabilidade pelo estrago que virou a história dos vloggers, Ronald Rios está de volta ao seu formato tradicional.

Mudou o nome, o cenário, a abertura ficou mais caprichada, mas a idéia ainda é a mesma. Ao invés de comentar diversos assuntos, como fazia, agora o tema é único. Continua muito bom. 

O vídeo está postado na conta Alta Cúpula, que segundo a descrição é um coletivo de produção de Erik Gustavo, Ronald Rios, Nigel Goodman e Ulisses Matos. Promessa de mais coisa boa por aí.

Erik Gustavo pegou uma coluna do Felipe Neto no jornal Brasil 247, um jornal feito para o IPad, e fez aquela leitura em voz alta para todos nós. Aproveite o show (opss…) de frases feitas do Felipe.

No domingo passado Erik Gustavo contou os detalhes sobre o fim do Badalhoca aqui. Devido ao sucesso da entrevista e de muitos pedidos temos aqui dois extras muito especiais.

————————————

Como lidam com a perda de uma idéia original de vocês? Era um risco que vocês tinha consciência que era alto ou não se importaram muito?

A gente sabia do risco, sempre soubemos. “Badalhoca” era um nome que a gente já usava antes, e era na verdade uma piada minha com amigos. Eu apostei que ia conseguir emplacar esse nome, que ele faria sucesso na internet, mesmo significando algo tão ruim em algumas culturas. Acabou crescendo mais do que eu imaginava e virou nome de um programa na TV, o que foi engraçado de diversas maneiras. O nome em si cumpriu sua função e vai ficar com a MTV, não podemos e nem pretendemos usar em trabalhos futuros meus, do Ronald ou da dupla. 
Perder o direito sobre os quadros e o Papagaio é chato, mas criar formatos e personagens novos não vai ser um problema pra nenhum dos dois. Costurar fantoches sim é um problema. Essa parada no Egito é outro problema.

Você vê como uma derrota voltar para a internet ou as oportunidade e trabalhos só estão melhorando?

Não vejo como derrota, vejo como um salário a menos. O Badalhoca na MTV dava pra gente uma visibilidade grande, por estar na televisão, mesmo que pra um público segmentado. Muita gente só conheceu a gente por causa do programa na televisão, mas muita gente também só conheceu a gente por causa da internet, tanto antes do programa quanto durante, pelo site.
Vejo como derrota no sentido de perder essa visibilidade e salário, mas tanto o Ronald quanto eu temos trabalhos paralelos, tudo indica que vamos conseguir sobreviver. E sobre “voltar para a internet" eu tenho que citar James Bond no final de Quantum of Solace. Quando M, sua chefe, pede para que ele volte ao serviço secreto, 007 responde "Eu nunca fui embora.

http://fuckyeahdrhollywood.tumblr.com/
Um dos projetos paralelos do Erik.

http://fuckyeahdrhollywood.tumblr.com/

Um dos projetos paralelos do Erik.